segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Sou professora de bebês!

Boa tarde!
Nossa! Que vergonha, me sinto ausente demais deste espaço maravilhoso de
aprendiza-
gens!
Contudo estou aqui!!! Apesar de já terem mencionado meu nome por diversas situações nos textos deste blog (obrigada colegas), acho educado me apresentar com civilidade (hehehe): Sou Cláudia, professora apaixonada da Educação Infantil.
Não pertenço mais a Escola Infantil Raio de Sol (pelo menos não em corpo, mas meu coração sempre estará com essas queridas pessoas que fazem parte desta instituição de ensino).
E me sinto devidamente autorizada a dar minha contribuição neste espaço virtual, afinal, além de ter uma relação amorosa com a educação com bebês, Marisete (a idealizadora deste blog) e eu, fomos as criadoras (sem falsa modéstia) de uma transformação mágica e legítima em uma turma do Berçário 1 (no ano de 2007) na Escola Raio de Sol.
"Decidi, quero assumir as responsabilidades de ser docente em uma turma de bebês!"
Quando essa afirmativa começou a fazer parte do meu cotidiano encontrei alguns preconceitos e vi o quanto essa faixa etária carrega forte o prisma do cuidado.
Alguém me diz:
"- Olha bem, fazendo pós graduação para trocar fraldas!"
Outra observação:
"-Que pena colocá-la no berçário, és uma professora tão qualificada."
Fica evidente que para os profissionais da educação, e concebido socialmente, só são valorizados situações de possível ensino-aprendizagem, caso haja produção de materiais concretos. As mediações, as trocas e a relação de afeto entre educadores e educadoras com os educandos do Berçário, por tanto, nesta concepção, não seriam tomadas como aprendizagens, mas apenas como situações de zelo, que poderiam ser desempenhadas por qualquer adulto cuidador.
As instituições de Educação Infantil costumam organizar seu quadro de professores estabelecendo alguns critérios na escolha dos docentes responsáveis pelo Berçário, levando em consideração traços de personalidade e experiência familiar, ou seja, de preferência que sejam professoras, calmas, pacientes, com filhos, mais velhas e com menos formação. Afinal, os professores e professoras mais qualificados necessitam, conforme esse juízo, receber encargos mais importantes, como ministrar aprendizagens e saberes nas turmas de crianças mais velhas e “capazes” de produzirem atividades palpáveis.
Se pensarmos nesse papel da professora como mentora de um espaço agradável, aconchegante, seguro, mas também estimulante e desafiador para cada uma das crianças. Se pensarmos que essa mesma professora respeita os tempos e ritmos dos pequenos, se pensarmos que a base do planejamento dela não são atividades, mas relacionamentos intensos entre todos aqueles que compõem determinada comunidade de educação, podemos afirmar que o papel dessa professora é permitir que as crianças experimentem no contexto da creche. (TRISTÃO, 2004)
A sutileza marca o papel dessa educadora, que deve levar seu ofício com seriedade e qualificação sim!!! Observando e sendo atenta a particularidade de cada bebê, sem abrir mão da práxis em seu fazer pedagógico e cuidador, pois quanto mais (in) certezas moverem sua capacidade de ver os educandos, mais apta estará para desenvolver seu olhar em relação a eles e as necessidades de flexibilização no ambiente educador.
REFERÊNCIAS:
TRISTÃO, Fernanda Carolina Dias
Acesso em nov. de 2008
Postado por Cláudia Tapia Sikilero

12 comentários:

Fernanda disse...

Concordo plenamente....
Acho que, quanto mais novas as crianças, maior qualificação as professoras deveriam ter.
Na minha opinião, ser mãe vai facilitar algumas coisas, mas nem tudo. É preciso formação e estudo continuado para realizar um trabalho legal com essa faixa etária.
Abração e parabéns pelo blog!

Profe Márcia disse...

Olá meninas, muito interessante esta postagem.
O blog de vocês está de parabéns, adoro visitar este espaço.
Ainda mais que é raro ver profissionais de berçário tão sérias, dedicadas e competentes. Para homenagear o trabalho de vocês, deixei um selinho lá no espaço da criança.
Beijocas
Márcia

NAEI disse...

Olá Gurias da Raio!!!
O blog tá cada vez melhor, que belos trabalhos vêm realizando. As produções e reflexões postadas são bem importantes e pertinentes. Aproveitamos para fazer uma propaganda, olhem nosso blog, temos novidades. Um grande abraço a todas.
NAEI/ SMEE

Ivanise Meyer disse...

Oi, lindinhas!
Deixei 2 selinhos em homeagem ao blog.
Dá uma olhadinha no Baú de Idéias.
Beijinhos,
Ivanise :)

Fadaluz disse...

Nem mais!Concordo em pleno e assino em baixo! Temos de nos valorizar como profissionais que somos!Sabemos o quão importante é a nossa profissão como educadoras, seja em que faixa etária for...quem não percebe isso, só por pura ignorância! bjs e continuem com o blog!É maravilhoso!

Adriana disse...

Adorei o blog!
Estão de parabéns! Prezo muito a partilha e a troca de opiniões.
Convido-vos por isso, a visitar também o meu espaço que tem uma rubrica sobre creche e penso que a vossa partilha vai ser muito útil para todas nós, pois é a partilhar que crescemos enquanto profissionais e enquanto seres humanos.
Obrigada por criarem este espaço!
Beijos a todas vós!

AMO O QUE FAÇO disse...

ADOREIIIII ESTE BLOG, VCS FALAM COM O CORAÇÃO SOBRE O TRABALHO DE VCS. ADORO CRIANÇAS E AMARIA TRABALHAR NUM BERÇARIO.

Éverton disse...

A paixão e o entusiasmo refletidos em palavras... responsabilidade, consciência de dever, ausência de comodismo, conhecimento, preparo e dedicação, questionamento... o que mais esperar de bons educadores?!?! Parabéns a todos!!!

Verônica disse...

Puxa Cláudia ,muito importante está tua postagem.Com certeza tudo o que vivemos aqui na Raio ,toda este olhar direcionado as crianças que hoje temos, nasceu ali no berçário a partir do trabalho de vocês.Parabéns pela educadora que és!

Luciene disse...

Muito interessante este post , realmente acredito que além de ser mães , o que ajuda muito , precisa sim ter maior qualificação , mas te digo mais , além de ser mãe e da qualificação , ter amor ao proximo é que faz a diferença viu... Bjus

Andreia disse...

Os gestores que conheço costumam possuir a visão que tu relatou, o que realmente é frustrante, desmotivador. Tive pouca experiência com uma turma de bebês, mas pude perceber que realmente a educação no berçário está vinculada essencialmente ao trocar fraldas, poucos percebem que o simples trocar fraldas já eh um fator do desenvolvimento de importante acompanhamento, e que a educação nessa faixa etária vai muito além disto.
Parabéns pelo blog!!

Julmara disse...

Lendo esta postagem lembrei de uma frase dita por uma coordenadora, e que faz muito sentido: "Para os menores, os melhores!". Acredito que, quanto menos a faixa etária, maior deve sera qualificação do docente, maior deve ser o compromisso, a dedicação. Sou licenciada em Artes e este ano comecei o trabalho com a Educação Infantil (a partir de 3 anos), e vejo o quanto é difícil (ao menos para mim) trabalhar com esta faixa etária. Estou tendo que estudar, ler muito, pesquisar.Quero oferecer algo mais do que desenhos para colorir, com o objetivo de encher pastinhas para mostrar aos pais.Quero um ensino de Artes significativo. Abraços! Vocês são especiais! Se quiserem contatar meu e-mail é julmara_artes@yahoo.com.br.