domingo, 20 de maio de 2012

FALANDO SOBRE BEBÊS


DO VENTRE, BRAÇOS, COLOS E BERÇOS À ESCOLA INFANTIL:        
O BEBÊ/CRIANÇA/ALUNO

“Enquanto for... um berço meu
Enquanto for... um terço meu
Serás vida... bem vinda
Serás viva... bem viva
Em mim.”

Trecho da música Realejo
O Teatro Mágico

            Confesso que ao me desafiar a escrever sobre o bebê antes da sua inserção num espaço de educação coletiva, fiquei por dias frente a uma página em branco. “Antes de escrever, eu olho assustado, para a página branca de susto”, e eu me apoiava nas palavras de Mário Quintana... De alguma forma deveria começar a escrever... Mas por onde?
Aos poucos, comecei a pensar o porquê desse susto frente a essa página em branca? Ora, há tanto tempo trabalhando com bebês, não conseguiria falar sobre eles? Mas daí o detalhe: falar do bebê antes da escola infantil... E daí outro detalhe, não sou mãe, logo  não tenho os sentimentos que uma gestação provoca... Nesse momento recorri a livros que (pelos títulos) uma mãe compraria. Foram esses livros que utilizei para compor essa escrita: Conversando sobre Bebês: do nascimento aos 3 anos e Seja Bem-vindo! Cartas a uma criança que vai nascer.
O primeiro livro foi escrito por Brigitte Thévenott e Aldo Naouri sua escolha se fez pelo seguinte sumário dividido em seis capítulos: Nascer, ser alimentado, ser carregado, ser banhado, brincar e falar. O segundo livro tem como autores María Novo, que escreve ficticiamente durante sua gestação para o filho que estaria esperando e Francesco Tonucci que além de introduzir o livro vai ao longo das cartas ilustrando de forma divertida os pensamentos desse bebê que está para chegar.
E com esses livros vou em busca, investigando, me instigando, novos olhares vão surgindo e aos poucos vou vendo alguns detalhes...

Nove longos meses durante os quais ele acumulou uma experiência considerável e que ainda era insuspeitada pela ciência, há apenas duas ou três décadas. Seu tempo no ventre de sua mãe não foi uma estada vegetativa, neutra ou passiva, dedicada somente à espera de sua vinda ao mundo aéreo. Sua estada foi fortemente formadora e armou-o e preparou-o perfeitamente para as etapas ulteriores de sua vida. [...] Sabe-se, em todo o caso, com uma grande certeza, que essa etapa programou-o, literalmente, no corpo de sua mãe. ( NAOURI, apud Thevénot e Naori, 2004, p. 42)

            E assim começo a discorrer sobre o bebê, o bebê que já está se formando enquanto criança “in utero” (THÉVENOT e NAOURI, 2004, p. 43). E sobre essa formação, assim como a citação acima, temos que lembrar que o recém nascido já nasce com os meses da vida intra-uterina, que mesmo no ventre ele começa a ser concebido como um ser inteiro. Sobre o seu nascimento temos variados  sentimentos, reações e considerações.
Podemos ver esse nascimento do bebê (já considerado um ser de direitos e de movimentos) como um grande encontro e após as palavras de Boris Cyrulnik (apud THÉVENOT e NAOURI, 2004, p. 43) podemos seguir mais um pouco nessa escrita.

Há, ao menos, mil maneiras de nascer, afirma ele. O dia do nascimento não marca o início da vida, mas simplesmente o dia em que se cai diante dos olhares dos outros, em que se recebe um nome, em que nosso sexo é reconhecido. A vida começa bem antes. A aparição do sentimento de pessoa se constrói lentamente. O bebê é imaginado antes de ser percebido, é falado antes de ser ouvido, pois nunca ouvi uma mulher grávida falar para seu bebê chamando-o de meu feto adorado.

         Antigamente, tinha-se a idéia de que o bebê ao nascer precisava de um período de maturação para melhor se desenvolver, era então, enrolado em mantas, ficando um perfeito pacotinho, para daí poder adquirir maior destreza e firmeza em seu pequeno corpo.  Só mudamos essa concepção ao percebermos que o bebê já no útero materno realiza muitos movimentos.
Nossos bebês (na sua maioria)  já nascem portadores de movimentos, culturas, nomes, e suas histórias começam bem antes de nascer...
      Mesmo que as concepções sobre gestação, nascimento, desenvolvimento infantil, estejam  mudando ao longo do tempo, o bebê continua sendo um objeto do nosso saber e poder. Somos nós, os adultos, quem o significamos. Nos aproveitamos da temporária dependência que o bebê possui nos primeiros anos de vida, para a nossa maneira o inserirmos em uma cultura. Conforme afirma Thévenot e Naouri (2004, p. 90)

Totalmente dependente de sua mãe que o alimenta, o troca, o lava, o faz dormir, conversa com ele, etc., é sempre de seu comportamento que vem a solução para a criança. Ela é, durante meses, sua “passarela” quase exclusiva com este novo universo.

            Do ventre da mãe para seus braços. O que carrega um bebê? Quem o carrega?
           É Winnicott (1988) quem nos fala da importância dessa díade. O bebê se recarrega nos olhos da mãe, seu primeiro espelho, se deixa manipular, gosta do toque, do contato físico. O bebê transformará a mãe e  a mãe será muito importante para o bebê. No seu colo, no seu corpo, pelas suas palavras o bebê estará se constituindo enquanto sujeito. Aproveitando as palavras de Thévenot e Naouri (2004, p. 88)

Ser carregada, para uma criança, é fabricar para si a consciência de seu corpo, a consciência do outro e o estoque de lembranças que permitirão a manutenção dessas consciências.

           As mesmas concepções que mudaram o modo de recebermos um recém nascido (não mais enrolá-lo em mantas!), trouxeram também outras idéias e artefatos... Por vezes (e ainda hoje), escutamos que não é bom para o bebê que seja muito pego no colo (???), pois precisa se acostumar a ficar só, já que a mãe não terá tempo somente para ele. Do mesmo modo escutamos que é o bebê quem tem que se adaptar aos pais, assim precisa aprender a dormir no barulho, a ser alimentado em determinados horários, entre outras coisas. 
            E já que segundo alguns, é melhor a criança não ficar no colo, começamos a falar do berço, o substituto dos braços e enlaços da mãe...Vamos adentrar nessa fala de uma maneira divertida, vendo o berço como um mito, algo até associável quando falamos em bebês. O quadro a seguir foi um exercício de escrita, anterior à essa monografia, mas que julgo ser bem pertinente para a continuação desse trabalho, dando vistas para seu objetivo principal.
            
O BERÇO

O berço: Um móvel ou uma palavra com o sentido de origem. Então no móvel a origem. Origem e ninho. Lugar de acalanto feito acalento. Lugar calmo, de proteção ao sono. Origem de um mundinho, um mundinho cercado, escolhido por alguém maior. Uma “gente grande” (CORAZZA, 2002) que de tão preocupada comprou a origem, digo o móvel, antes mesmo de ver quem nele iria ficar...
Ansiedade consumista, diferenciada, moderna. É a festa das lojas especializadas no tal berço. Que cor, que tamanho, qual função? Ah, sim um berço (aquele da origem!) não é mais um simples e modesto berço. Ele poderá ser o diferencial no quarto do infante (e assim mudará o futuro do ser pequeno colocado ali dentro...). Com rodinhas, mais estreito, mais largo, ele poderá futuramente virar uma cama ou um sofá, é quase uma peça decorativa (de suma importância!), um brinquedo (ver acessórios para berços) e eu diria que para muitos o berço constitui-se numa grande multifuncional! Por vezes, cabe em qualquer lugar!
O berço torna-se um cercado, quando o cercado não é um berço. Vira o móvel um lugar de controle? Dirão alguns: “não pegue muito o seu bebê no colo, ele tem que acostumar a ficar no berço”. E o berço vira um pequeno mundinho, tem espaço até para brincar! Aquele móvel acaba por representar conforto e segurança, quase como uma arquitetura de casa. Tudo o que ele precisar vai estar ali, por vezes e se tiver sorte “a gente grande” pode vir com suas paparicações.
E se ele for pra creche? Recanto dos berços! Um berço para cada bebê! Só saem dali quando precisam ter suas fraldas trocadas. Ah, mas os berços são pedagógicos! Tem móbiles de acordo com o projeto que os bebês irão desenvolver e figuras nas suas “paredes” internas (não falei que era quase uma casa?!).
 E pensando bem... E quando  o bebê não for mais para o berço?
Sair do berço não é fácil, até porque penso que inventaram extensores dos berços. Gravem esses nomes: Carrinhos de bebê e Bebê conforto... Argh... Um para fazer  pequenos passeios e o outro para passear de carro, mas quando todos descem do carro, o bebê conforto (irmão do berço) desce também... Atualmente sair do berço não mais significa ir para o colo quentinho, cheiroso e gostoso da mamãe, sair do colo significa ir para o lindo e prático carrinho ou para o versátil bebê conforto! O que mais poderíamos querer?
Mas há um momento único... Quando o ser pequeno cresce e fica tão grande que não cabe mais no berço. Opções? Quebrar o berço? Trocá-lo por uma cama...
Assim, ao longo dos primeiros anos é o berço o maior responsável pela preparação da criança para a vida adulta. Seus limites, seus movimentos, sua linguagem  são desenvolvidos num móvel controle, tão útil e escolhido por quem mais vai lhe amar na vida.
Fonte: Registro de acompanhamento da autora / 2011.


Começo a pensar de diversas formas, por tempo aproveitando, a mãe que não sou, me pego com as cartas de María Novo, leio o livro num dia... Quantos sentimentos existem nessa relação mãe/filho. A preocupação com o recém nascido, com as descobertas, com a criação de  detalhes sobre essa vida que chegará... E depois do ventre, colos, braços e berços, para onde levar esse bebê?
Novoa (2009, p. 12) lança a pergunta que ela e Tonucci julgavam como o principal ponto de reflexão do livro, “quanto vale o primeiro ano de vida de uma criança?” E já escrevendo para o João (bebê que estaria esperando), repassa as seguintes informações:

Francisco diz que, quando vocês são tirados desse microcosmo e são levados a outros lugares, o “mundo inteiro” de vocês se desorganiza, exceto se nesse outro lugar também houver um certo sossego e esteja presente a figura da mãe ou do pai, que lhes servirão de referência. Essa idéia me fez pensar de novo na creche, um lugar que, por melhor que seja, você não poderá “reconhecer” quando ainda tiver poucos meses.
Eu acreditava ingenuamente que, se o levasse, ainda cedo com outras crianças, em seguida você se tornaria mais sociável. Mas Francisco insistiu que essa sociabilidade, como tudo, surge pouco a pouco e tem seu ritmo, e que durante o primeiro ano você tem que fazer outras aprendizagens mais importantes, como a da segurança, a do afeto, que justamente lhe servirão depois para que se relacione com os demais.
           
            Esse blog, se constitui a partir das experiências que acontecem entre educadores e bebês num espaço de educação coletiva. Mas é válido deixar por último a idéia de como seria bom se todas as mães pudessem acompanhar com qualidade esse primeiro ano de vida de seus filhos. Na realidade, temos mães que precisam voltar ao mercado de trabalho após sua licença maternidade e mães que não se dedicariam tanto para seus filhos  (e daí adentramos nas culturas familiares...).
Para alguns a creche continua sendo vista como “o mal necessário” (VIEIRA, apud GOBATTO), mas para muitos ela servirá para retirar as crianças das “loucuras” de suas famílias.
 E desse ponto em diante passo a me perguntar o que o bebê irá encontrar na escola?
Sigo evocando a importância da professora de bebês, da potência das relações, do poder de convocar que os bebês possuem, primando por transformar a escola num local de respeito ao outro, onde se ofereçam experiências profundas e carregadas das multiplicidades das nossas infâncias.
___________________

*Texto que fez parte do primeiro capítulo do meu trabalho de conclusão em Especialização em Educação Infantil, com o título "Tempo de dar colo, tempo de decolar: os bebês, a professora e as experiências nas turmas de Berçário".
*Não esqueçam : AO COPIAR MANTENHAM OS CRÉDITOS!

4 comentários:

meajudaaolhar disse...

Que lindo este texto... Eu nunca trabalhei com bebês, só com crianças maiores, e deve ser bem interessante. Um outro universo, não? Tenho vontade de um dia experimentar. Vou parar com calma depois para ler seu blog. Fiquei encantada!

Olá!
Sou a Lili, professora de educação infantil em Campinas, SP. Brasil Também registro um pouco do meu cotidiano no blog: -Me ajuda a olhar! - http://meajudaaolhar.wordpress.com e no blog: Fichário de artes – http://fichariodeartes.wordpress.com

Recentemente, iniciei um apanhado de outros blogs com registros de professores e escolas sobre seu cotidiano. Adicionarei também o seu, por ser muito interessante e relevante. Para visitar, clique em
Além dos muros escolares - http://alemdosmurosescolares.wordpress.com

Um abraço
Lili

www.educamuito.blogspot.com.br disse...

olá... tb sou professora de berçário 1,estou comum grande problema... minha cp abomina berços (meus bebes ja andam), mas tenho crianças que em certos momentos se sentem mais seguras e confortáveis no berço.Conversei com ela, e disse-me que só deixará algum berço se eu encontrar algum embasamento teórico que justifique meu argumento... ao ler seu texto penso que pode me indicar alguma literatura nesse sentido.... se houver a possibilidade agradeceria muito... bjos

Anônimo disse...

Esta é uma vista fantástica sobre a situação, eu não acho que eu tenho visto muito isso por essa perspectiva antes.

Profe Márcia disse...

Adoro ver como vocÇe descreve a educação de bebê, é tão raro ver coisas interessantes e reflexivas sobre esta feixa etária e tudo aqui é tão legal.
Aproveito para convidar voce para uma visitinha ao meu blog. Está rolando um sorteio em comemoração aos 5 aninhos do meu cantinho. Te espero lá, boa sorte!
http://www.cantinhodaeducacaoinfantil.com.br/
Bjos
Márcia